quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Audiovisual: //Ritual: "A Recomendação das Almas do Quilombo Pedro Cubas" participa de chamada criativa "Narrativas do Brasil"


Assista: //Ritual: "A Recomendação das Almas do Quilombo Pedro Cubas



No dia de hoje, 18 de setembro de 2014 fiz a inscrição no segmento das Culturas Afro-brasileiras para a chamada criativa "Seleção Curta Brasil - Edição Narrativas do Brasil"* com a submissão de uma edição especial (2014) do montante do registro do Ritual da Recomendação das Almas do Quilombo Pedro Cubas de abril de 2008. Com duração de 2 minutos e 59 segundos o vídeo aborda esta procissão do Catolicismo popular com influências africanas, que acontece no período da quaresma, sendo a Sexta-Feira Santa o dia mais importante, no qual os devotos caminham por 10km do Quilombo Pedro Cubas até o cemitério de Batatal para entoar cânticos de louvor aos parentes e amigos falecidos (antepassados). Atualmente, na região, apenas o Quilombo Pedro Cubas mantém a tradição, mas até 1950 as outras comunidades também praticavam. Durante a caminhada o grupo deve andar nas laterais da estrada para que o caminho fique livre para as almas, e também para não serem levados por elas, e o capelão, acompanhado de uma matraca, deve estar à frente do grupo. O ponto alto do ritual se dá à meia-noite defronte ao cemitério, momento em que os mortos chegam ao mundo dos vivos. Velas são acesas e os cânticos são oferecidos para as seguintes almas: do purgatório, do cemitério, dos necessitados, de pai e mãe, dos afogados, da encruzilhada, dos ofendidos, do sertão, dos atirados. Implora-se por misericórdia com solicitação de São Miguel, Santo Antônio, Jesus e Nossa Senhora, tanto em favor das almas do purgatório quanto em favor dos próprios participantes, para que quando for a hora a porta divina esteja aberta para o reino da glória eterna. (para saber mais sobre este ritual indico a dissertação da historiadora Gabriela Paes "A Recomendação das Almas na comunidade de Remanescentes de Quilombos de Pedro Cubas". FFLCH-USP.2007) 

*A chamada criativa “Seleção Curta Brasil – Edição Narrativas doBrasil” tem como proposta instigar os produtores independentescriativos brasileiros a mostrar, em formato audiovisual, o queo país tem de melhor. A competição busca estimular a liberdade dasideias por meio do trabalho cultural e criativo. Para participar,basta se inscrever e enviar um video cultural e criativo de temáticabrasileira com até três minutos de duração. Ver mais: http://narrativasdobrasil.com.br 

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Novas metas!!! Dalê !!!

Muitos caminhos percorridos e a pesquisa continua!!!
Quilombo Pedro Cubas, saudação, saudade e reencontros!!!
Novas metas!!! Dalê!!!

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Dia da consciência negra: Sr. Adão, cancioneiro e compositor popular!!!


Em destaque na imagem do dia 11, o pesquisador José Vitor Marchi e em exibição no monitor do evento FEPAQ (ITESP) o audiovisual produzido na pesquisa em que o saudoso Sr. Adão nos diverte com seus causos e alegrias tão peculiares, e em registro, como memória: preservadas!!! 


Nos dias 10 e 11 de novembro de 2012 a fundação ITESP realizou no Parque da Água Branca em São Paulo o FEPAQ - Feira Paulista de Assentamentos e Quilombos ; foi mais uma vez uma oportunidade sem igual de reencontrar as lideranças comunitárias do Quilombo de Pedro Cubas do Vale do Ribeira. Como este blog denota foi realizada uma pesquisa ao nível do mestrado (com recurso de bolsa CAPES), por este pesquisador e orientação do prof. Gilson Schwartz , criador e diretor da Cidade do Conhecimento (www.cidade.usp.br) na Universidade de São Paulo, na Escola de Comunicações e Artes durante os anos de 2007 a 2010 (data da defesa), mas com pesquisa em continuidade e vínculos mantidos com a comunidade e com as pessoas pró-ativas que ajudaram em muito a realização desta pesquisa, seja na apresentação, intermediação com a comunidade quilombola, bem como no apoio, figuras como o Sr. Carlos Henrique Gomes e Sr. Ari Ribeiro  ; outras pessoas do ITESP obviamente também estão neste percurso, em especial Lydia (na época do ITESP de SP e todos os funcionários do ITESP da cidade de Eldorado Paulista). O FEPAQ aconteceu entre os dias 10 e 11 de novembro (estive lá dia 11), mas deixei para hoje, para dia 20 de novembro, dia da consciência negra para produzir esta homenagem e satisfação, de conhecer uma cultura tão rica que luta dioturnamente por seus direitos e pratica seus deveres. É uma grande satisfação conhecer estas pessoas a quem hoje posso chamá-los de amigos, e no qual o vínculo não se encerra com a defesa da dissertação em 2010, e a pesquisa sempre vislumbra novos horizontes, uma troca colaborativa de construção do saber coletivo entre pesquisador da Universidade de São Paulo e uma comunidade quilombola do Vale do Ribeira e seus atores sociais, em prática educomunicativas e ação iconomicas. Disponho aqui o link da dissertação para os que quiserem acompanhar o texto na íntegra com maior afinco (é um arquivo em .pdf habilitado para download, até agora 168 downloads foram feitos e o arquivo teve 482 visualizações ; scores que muito enobrecem este processo) ; deixo aqui mais uma vez meu grande abraço para os quilombolas de Pedro Cubas e que nesta data do dia 20 de novembro que possamos resgatar o espírito de luta, de alegria e sobretudo de reconhecimento, civil, social, cultural, político, e porque não também econômico e educomunicativo!
Link para a dissertação
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27153/tde-13082011-090854/pt-br.php
Os vídeos produzidos na pesquisa também estão todos disponíveis para visualização, completando mais de 5 horas de material editados, entrar em www.iptv.usp.br e ir em busca e digitar Quilombo Pedro Cubas ou José Vitor Marchi , são 9 fragmentos que compreendem práticas de fotografia, audiovisual, registro do Ritual Recomendação das Almas (fragmento 6), Registro de um casamento entre jovens quilomboas, e muito mais!!! 

ATUALMENTE

A pesquisa, em continuidade, neste ano de 2012 foi apresentada no IV Encontro Brasileiro de Educomunicação através do paper apresentado "Iconografias dos quilombos de Pedro Cubas" no painel 6, no dia 25 de Outubro no CEPAC, da Ed. Paulinas, na Vila Mariana. O paper visa tanto apresentar os resultados obtidos, quanto capitalizar novos pesquisadores, olhares e atores que se interessem em desenvolver práticas educomunicativas e iconomicas junto a comunidade. 

O desejo desta continuidade apareceu no momento da devolutiva da pesquisa de mestrado com os moradores de Pedro Cubas, que se posicionaram a favor de que novas práticas e parceiros fossem apresentados para desenvolvimento de trabalhos colaborativos. Em especial este momento e estas falas estão registrados no "fragmento 9" (vídeo disponível no www.iptv.usp.br). 


O que vem por aí: 

Neste dia 11 de novembro que estive no Parque da Água Branca combinei com o Sr. Antonio Jorge e Dona Diva de que dezembro agora, ou no ínicio do ano que vem (2013) entre janeiro e fevereiro de que vou fazer uma visita para eles lá no quilombo de Pedro Cubas, lugar que fui tão bem recebido e que junto com eles pude realizar esta pesquisa tão prazerosa! Deixo também aqui o meu pesar, mas cuja alegria levo em meu coração, pois soube do falecimento do sr.  Adão, figura de extrema importância na comunidade que faleceu nestes meses anteriores, fiquei muito chateado com esta notícia, mas pude aprender com ele sobre a alegria do mundo, sobretudo de sua vertente de cancioneiro e compositor popular, dedico o dia de hoje ao Sr. Adão, que vocês podem conferir nos vídeos e fotografias ao longo do blog! Meu grande abraço a todos que participaram, participam ou que acompanham e apoiam isto que começou como uma pesquisa, desenvolve-se desta maneira mas que também é a grande construção colaborativa do saber, e porque não, e dai digo porque sim dizermos da construção de uma amizade, de encontros em vida, de soma, de abertura de fronteiras e novas práticas educativas (educomunicativas) e iconomicas! =) Muito obrigado, José Vitor Marchi 


 Pesquisador José Vitor Marchi (ao centro da imagem) com Carlos Henrique Gomes [ Chefe de Gabinete da Secretaria da Justiça e da defesa da Cidadania do ITESP] (a esquerda da imagem) e Ari Ribeiro [ITESP] (a direita da imagem)
 Pesquisador José Vitor Marchi com Quilombolas de Pedro Cubas ; destaque ao Maicon (a direita na imagem) que durante a realização da pesquisa foi o jovem que mais se destacou e tinha 13 anos de idade (2007/08), neste nosso reeencontro (2012) está prestes a completar seus 18 anos.
 Pesquisador José Vitor Marchi com Dona Edivina Tiê (Dona Diva), liderança comunitária de Pedro Cubas de cima
Pesquisador José Vitor Marchi com Sr. Antonio Jorge, liderança comunitária de Pedro Cubas de baixo

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Amanhã, quinta-feira dia 25 de Outubro a partir das 16h apresento no PAINEL 6 do IV Encontro Brasileiro de Educomunicação a minha pesquisa "Iconografia dos Remanescentes de Quilombo de Pedro Cubas do Vale do Ribeira –SP: processos de iniciação educomunicativos" ; O resumo consta no link abaixo: 

http://www.cca.eca.usp.br/cca_noticia/1632

É hora de abrir o leque Educomunicativo aos pesquisadores e colaborativamente fazermos juntos, daqui por diante! 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Encontro com Dona Cassilda na FEPAQ no Parque da Água Branca



No dias 19 e 20 de novembro o ITESP - Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo realizou a FEPAQ - feira paulista de assentamentos e quilombos, em sua sexta edição, em comemoração ao Dia da Consciência Negra.

No domingo dia 20 não estaria presente em São Paulo, por isso na oportunidade deste evento, no sábado dia 19 de novembro estive presente e encontrei com Dona Cassilda na barraca de Pedro Cuba de cima. Foi um encontro muito bom, cheio de lembranças. Relembramos entre outras coisas do momento da Recomendação das Almas, das oficinas de fotofrafias e vídeos com os jovens, das piadas e causos de seu marido Adão e em especial do momento do registro do casamento e festa de Elias, filho de Dona Cassilda.

Momentos como estes são fundamentais para uma pesquisa, reencontrar é permanecer, é fazer presente a construção do conhecimento, das trocas das práticas audiovisuais colaborativas desenvolvidas ao curso do mestrado em Ciências da Comunicação , na linha de pesquisa do estudo dos meios e da produção mediática, entre 2007 a 2010, na ECA-USP.

Agradecimentos também aos funcionários de ITESP e do ISA, parceiros da comunidade e que foram sempre solícitos a este pesquisador nos momentos de pesquisa e de prática!

Quando os atores sociais dialogam e colaboram na construção do comum ficamos muito próximos do reconhecimento, que favorece os momentos de participação e de construção narrativa de valor coletivo.

É por este enunciado ciêntifico que caminho em Tags acadêmicos como Comunicação, Interfaces sociais, Colaboração, Educação, audiovisual, documentário, internet, inclusão digital, rede e trocas. Isto é o que eu atuo desde a graduação em Comunicação Social Multimeios na PUC-SP (2001-2005) através do mestrado (2007-2010) e hoje no Doutorado em curso (2011-2015) em Comunicação e Educação na Universidade de São Paulo.

sábado, 15 de outubro de 2011

Lembranças de um tempo bom!!! =)

Hoje numa tarde de chuva de primavera em meu quarto acompanhado de minha namorada revi toda esta produção maravilhosa.

Me veio realização, saudade e vontade de continuar!!!

Como é bom produzir, com sinceridade, com troca e com a esperança do bem que o conhecimento nos eleva!

Em breve quero muito visitar os quilombolas de Pedro Cubas!!!

Grande abraço, Zé Vitor

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Viagem agendada para o quilombo Pedro Cubas no segundo semestre

Estou me planejando para fazer o retorno, uma visita, na comunidade no segundo semestre deste ano. Tentei ir agora neste primeiro semestre mais por compromissos de estudo e pesquisa não vou ter tempo para esta locomoção. Mas semestre que vem estou por lá, com a máquina na mão, e muita vontade de reencontrar as pessoas que me proporcionaram essa possibilidade tão bacana, acadêmica e de crescimento pessoal.
abraço à todos que acompanham aqui.

Zé Vitor

Aqui e adiante

Passado um tempo aqui retorno.

Aqui e adiante!

Muitas novidades.

Estou cursando o Doutorado em Ciências da Comunicação na ECA, área de concentração Interface Social da Comunicação, linha de pesquisa Comunicação e Educação.

Neste novo norte encontrei caminho para dar continuidade ao que venho pesquisando, a educação chega como aglutinador de todo passo dado até o dia de hoje.

Nos próximos posts detalherei mais a firme os traços desta minha nova pesquisa.

A transformação da sociedade é gradativa, mas de pouco em pouco e com muito entusiasmo e envolvimento a crença é que o fator qualidade tenha impactos favoráveis nas novas oportunidades que são e podem ser geradas também por iniciativas que envolvam a Universidade.

Adiante!!!!

Zé Vitor

Palavras-chave: educação pos graduação doutorado eca usp cidade universitária

terça-feira, 16 de março de 2010

Cidade do Conhecimento celebra 10 anos

Fonte:
http://www.cidade.usp.br/blog/cidade-10-anos/

"Criado no Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP) após concurso em 1999, o grupo de pesquisa coordena ações em parceria com as Pró-Reitorias de Pesquisa e de Cultura e Extensão Universitária da USP, com a União Européia e com os Ministérios da Ciência e Tecnologia e da Cultura.

Concebida como uma rede de pesquisa voltada à discussão e experimentação de mídias digitais, a Cidade do Conhecimento completa uma década de projetos vinculada ao Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e associada ao Núcleo de Pesquisa em Política e Gestão Tecnológica (PGT) da USP.

“O projeto converge com o modelo das incubadoras de inovação tecnológica, com forte ênfase nas agendas das humanidades e na predominância do audiovisual na comunicação eletrônica”, resume o seu criador e coordenador, Gilson Schwartz, professor do novo programa de pós-graduação em Meios e Processos Audiovisuais, na ECA, cujas atividades terão início no segundo semestre. “É um momento importante na USP, pois, além do novo programa de pós na ECA, haverá uma pós com foco na formação de recursos humanos para TV digital na POLI e a Cidade do Conhecimento abre até 300 vagas para o programa “Gestão de Mídias Audiovisuais para o Desenvolvimento Local – GeMA”, aberto a todos os interessados, assim como uma disciplina de criação audiovisual na Universidade da Terceira Idade”, informa Schwartz.

A partir de 2010, a Cidade do Conhecimento oferece uma certificação em conjunto com a União Européia. O eixo do projeto “PRO-IDEAL” (Promoting an ICT Dialogue Between Europe and América Latina) é a certificação de “Project Angels”, ou seja, lideranças dos mais variados setores que desejem encaminhar projetos em TICs para o “Framework Program 7” da União Européia. A Cidade do Conhecimento coordena um consórcio que integra oito países latino-americanos voltado ao encaminhamento de projetos.

“Pela primeira vez, um programa de cultura e extensão oferece um duplo diploma, brasileiro e europeu. Os 300 participantes do GeMA receberão o certificado da USP e também a certificação para gestão de projetos nos marcos do programa-quadro europeu”., informa Celso Sekiguchi, economista que participa da coordenação pedagógica do programa GeMA.

Memória e Perspectivas de Desenvolvimento com Henrique Rattner

No dia 17 de março, a partir das 14 horas, no Anfiteatro Camargo Guarnieri, os 10 anos da Cidade do Conhecimento serão celebrados com uma Aula Magna sobre perspectivas do desenvolvimento humano, com o professor Henrique Rattner. O evento é apoiado pelo Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP), pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA), pelo Núcleo de Pesquisa em Política e Gestão Tecnológica (PGT) e pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da Universidade de São Paulo.

PROGRAMAÇÃO

Cidade do Conhecimento: 10 Anos de Pesquisa, Extensão e Cultura

14h00m Abertura, Memória e Chamada de Projetos 2010

Gestão de Mídias Audiovisuais para o Desenvolvimento Local

“Project Angels” – PRO-IDEAL, Comissão Européia

Moedas Criativas, Ministério da Cultura, FUNARTE

Biblioteca Imre Simon

14h30m Aula Magna com Henrique Rattner

Desenvolvimento em Perspectiva: História, Teoria e Prática

15h30m Intervalo
16h00m Impactos na Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (*)
Apresentação de papers, dissertações e teses associados à Cidade do Conhecimento e lançamento do livro “Digitalização, Diversidade e Cidadania – Convergências Brasil e Moçambique” (Projeto PRO-AFRICA, CNPq)

17h30m Intervalo

18h00m Educação Digital: Imersão e Experiência

Mesa-Redonda com Pedro Demo (UnB), Roseli de Deus Lopes (POLI-USP), Gilson Schwartz (ECA-USP) e Ceila Santos (Iconomia Produções Culturais)

Lançamento do newsgame educativo “Conflitos Globais”, projeto Primeira Empresa Inovadora (PRIME-FINEP-MCT)

(*) Participação dos professores :

André Leme Fleury (POLI-USP)

Edson Spina (POLI-USP)

Gilson Schwartz (ECA-USP)

Guilherme Ary Plonski (PGT, FEA e POLI-USP)

Joáo Miguel (Escola de Comunicações e Artes, Moçambique)

José Roberto Amazonas (POLI-USP)

Júlio Lucchesi (Mestrando, FFLCH-USP)

Thais Barros (Mestranda, ECA-USP)

Vitor Blota (Doutorando, Direito-USP)

Yolanda Ursa (PRO-IDEAL, União Européia)

Mais informações:

(11) 3091 4305 ou schwartz@usp.br

Cidade do Conhecimento: www.cidade.usp.br

PRO-IDEAL: www.pro-ideal.euTransmissão AO VIVO pela IPTV-USP

http://www.iptv.usp.br "

quarta-feira, 10 de março de 2010

Registros colaborativos

Fotografias realizadas pelos jovens no InfoCentro de Pedro Cubas, em abril de 2008.
Nesta atividade foi privilegiado o uso do trabalho com imagens digitais, máquina fotográfica e de vídeo, e produção colaborativa de blogs, perfis digitais, bem como a exibição e o upload das fotografias e dos vídeos produzidos. Também foi sugerido a criação de títulos para as fotos produzidas, e que estão disponíveis neste blog. E em www.quilombopedrocubas.blogspot.com



















sábado, 12 de dezembro de 2009

A pesquisa continua / Defesa da dissertação

Momento de preparação para defesa da dissertação de mestrado.
No entanto a pesquisa continua.
Esta primeira fase foi de extrema importância para a configuração da pesquisa com a construção colaborativa iconográfica.

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Nova fase da pesquisa - depósito dissertação!

Hoje é o dia do depósito da dissertação!

A pesquisa entra em uma nova fase.

Nestes dias os arquivos vinculados a tese estarão disponíveis

www.stoa.usp.br/zevitor

Aguardem as atualizações!

Abraços, Zé Vitor Marchi

terça-feira, 21 de julho de 2009

Acompanhe!

http://stoa.usp.br/zevitor/weblog/

Todo o já feito, todo o movimento envolvido e escalas de procedimentos que se vislumbram ao horizonte no correr do tempo da vida dos homens

Esta pesquisa acadêmica mapeia mais mais um ciclo de fechamento desta etapa para as atividades da pós graduação.
A produção colaborativa audiovisual será novamente e com mais rigor posta em prática, neste e nos próximos meses.
Esse nível modular faz parte da continuidade das experiências.
O interessante, no horizonte, é que os quilombolas de Pedro Cubas tenham não só conhecimentos tecnológicos, do uso das mídias, mas que por meio delas, ou no continuo fazer consiguam expressar seus ideais, ora rediscutindo-os, reformulando-os, ora reafirmando antigos valores. Essa experiência de fazer novamente, reafirmar e dar visibilidade / visualidade em um ambiente em rede, pode revelar parametros para uma comunidade interpretativa que se cria que traga retornos, nesta troca, não só da atenção, de um para o outro, de muitos para um, de um para muitos, mas também economicos/efetivos. Tudo depende do mapeamento que se faz e dos pontos que se ligam, se interconectam, ou seja, de seus interesses. Nesta caminhada novos atores sociais emergem, surgem.
Até aqui, a pesquisa caminha desde 2007, são muitos e qualitativos os resultados com produção de fotos e vídeos do pesquisador e coletiva (junto com a comunidade).
Um verdadeiro exercício pautado por objetivos sociais - de um processo prático não só de saber fazer (determinada demanda), mas fazer saber (no trato de todos os arranjos complexos (mesmo que não se alcancem e não se depurem com muita precisão, mas que certamente estão envolvidos) que demandam para expressar as idéias, e também nos afazeres e manuseios da tecnologia) ; e midiáticos - ao explorar os alcances e limites audiovisuais. Como questão primeira ao dosar quais tecnologias e formas de contato (programa/s) se utilizam nesta primeira aproximação, e quais seriam as necessarias para um arranjo e alcance mais denso.
(A se pensar para um próximo quadro as outras comunidades quilombolas da região, por exemplo. Lembrando que esta pesquisa tem como seu objeto/sujeito os quilombolas de Pedro Cubas, são aproximadamente mais de 19 comunidades de Remanescentes no grande entorno)
O que sobresai de emergente até aqui é todo do já feito, todo o movimento envolvido nesta pesquisa, do próximo fazer - novas incurções, e de uma escala de procedimentos que se vislumbram ao horizonte no correr do tempo da vida dos homens!
Vamos lá, pesquisa a mil!

domingo, 5 de julho de 2009

Acompanhe uma extensão deste blog no STOA

STOA

Desde março de 2008 que existe a tentativa de criar uma extensão deste blog no Stoa:

" O que é o Stoa?

Aprendizagem é um processo social, além de cognitivo. A convivência com os colegas e a inserção do aluno numa comunidade educativa é um aspecto importantíssimo na formação dele. Assim, a USP constrói espaços públicos como bibliotecas, lanchonetes, praças etc. para promover oportunidades de discussão e debate. A infra-estrutura tecnológica da USP também deve promover a formação de uma comunidade de alunos e educadores. Visamos a implementação de um conjunto de tecnologias em apoio a este objetivo: além de salas de aula, praças públicas e stoas virtuais.
Stoa é uma rede social dos estudantes, professores, funcionários e ex-membros da Universidade de São Paulo (USP). Os objetivos do Stoa são promover uma maior interação entre os membros da comunidade USP, criar um espaço onde cada pessoa dentro da Universidade tenha uma identidade digital de fácil acesso, tanto para quem está dentro da USP, quanto para a comunidade externa, e fornecer um sistema de softwares que facilite aos professores a administração de seus cursos para os estudantes.
Os softwares principais usados pelo Stoa são o Elgg, uma plataforma para redes sociais (stoa.usp.br), o MediaWiki, um wiki integrado ao banco de dados do Elgg para apenas os membros da comunidade USP poderem editar as páginas do StoaWiki (http://wiki.stoa.usp.br), e o Moodle, para o gerenciamento de disciplinas pelos docentes (http://moodle.stoa.usp.br).
Na plataforma de rede social cada membro e ex-membro da universidade possui um blog, um espaço para guardar seus arquivos e a possibilidade da criação de comunidades, que pode ser usada como um fórum de discussão ou um blog coletivo. Além da plataforma de rede social, já estamos usando o Moodle integrado aos sistemas Júpiter (graduação) e Fênix (prós-graduação), facilitando assim o processo de criação, pelos docentos, dos cursos com material online, além de inserir automaticamente os alunos em cada curso. Visamos integrar o sistema Stoa com outras plataformas para fins educacionais ou ferramentas de interesse para a comunidade USP.
Pretendemos interagir com outras redes sociais de instituições de ensino já existentes ou que venham a surgir, usando tecnologias como Open Social, OpenID ou alguma outra tecnologia nova alinhada a interação entre redes sociais. Nosso objetivo não é servir como uma plataforma de rede social centralizada.
Todos softwares usados no projeto Stoa são livres e de códigos abertos. Esperamos que essas ferramentas possam ser usadas para projetos de extensão universitária e divulgação da atividade realizada dentro da Universidade de São Paulo.
Stoa é um projeto da Coordenadoria de Tecnologia da Informação da USP."

Fonte: http://wiki.stoa.usp.br/Stoa:Sobre

Agora, neste mês de julho de 2009, após algumas reuniões de orientação da pesquisa e alguns entendimentos técnicos da ferramenta, esta pesquisa contará também com um novo blog no Stoa, com conteúdos semelhantes mas não necessariamente idênticos com os que serão apresentados neste espaço.

Eis uma nova possibilidade de divulgação e produção de sentidos da pesquisa.

Conheça, acompanhe e participe em:

http://stoa.usp.br/zevitor/weblog/

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Alteração no colóquio Jeah Rouch na Cinemateca

Teve uma alteração nas data do colóquio.
Ficou adiada as palestras de hoje e de sexta, para respectivamente sexta e sábado.
Vamos lá que está sendo muito boa, o público está pequeno mas os debates excelentes!
=)

terça-feira, 30 de junho de 2009

COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH

"30 de junho a 03 de julho de 2009

Completando a vasta retrospectiva de Jean Rouch trazida ao Brasil, a Cinemateca Brasileira acolhe, a partir do dia 30 de junho, um colóquio internacional organizado pelos curadores da mostra, o filósofo e ensaísta de cinema Mateus Araújo e o antropólogo Andrea Paganini. Durante 4 dias, pensadores e estudiosos do Brasil, da França e do mundo francófono, especialistas em cinema ou em antropologia e rouchianos de envergadura estarão reunidos em 8 mesas temáticas para re-examinar uma série de aspectos da obra e do legado de Rouch: sua situação na história do cinema, suas relações com o trabalho de outros realizadores e antropólogos, sua prática de cineasta, as noções que ele forjou para pensá-la e seus vínculos diretos ou indiretos com o Brasil. Com palestras em português ou em francês com tradução simultânea, o colóquio acontece de terça a sexta-feira e é aberto ao público em geral.

CINEMATECA BRASILEIRA

Largo Senador Raul Cardoso, 207

próximo ao Metrô Vila Mariana

Outras informações: (11) 3512-6111 (ramal 215)

www.cinemateca.gov.br

ENTRADA FRANCA

PROGRAMAÇÃO

30.06 | TERÇA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

10h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | CONFERÊNCIA DE ABERTURA COM LUC DE HEUSCH | JEAN ROUCH E LÉVI-STRAUSS: CONTRASTES E CONFRONTOS

14h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | JEAN ROUCH NA HISTÓRIA DO DOCUMENTÁRIO COM SILVIO DA-RIN | JEAN ROUCH E O DOCUMENTÁRIO MODERNO COM FERNÃO RAMOS | JEAN ROUCH E A NOUVELLE VAGUE COM MICHEL MARIE | JEAN ROUCH E A ANTROPOLOGIA FÍLMICA OU CHAVES PARA JEAN ROUCH COM JEAN-PAUL COLLEYN

01.07 | QUARTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

10h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | ROUCH E FLAHERTY: A INVENÇÃO DA TRADIÇÃO COM HENRI GERVAISOU | ROUCH E GODARD: AS VIÚVAS DE 15 ANOS E MASCULINO FEMININO COM MICHEL MARIE | ROUCH E PIERRE PERRAULT COM MARCOS UZAL

14h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | ROUCH, RIVETTE E A NOUVELLE VAGUE COM JEAN-ANDRE FIESCHI | ROUCH E PASOLINI COM MAXIME SCHEINFEIGEL | ROUCH E GODARD COM ALFREDO MANEVY | ROUCH E GLAUBER ROCHA: DE UM TRANSE A OUTRO COM MATEUS ARAÚJO SILVA

02.07 | QUINTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

10h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | MUTAÇÕES DO COMENTÁRIO OFF, DE MARCEL GRIAULE A JEAN ROUCH COM PHILIPPE LOURDOU | ROUCH E GERMAINE DIETERLEN COM NADINE WANONO | ROUCH E MARCEL MAUSS COM RUBEN CAIXETA | ROUCH COMPARTILHADO: JEAN ROUCH E A ANTROPOLOGIA CONTEMPORANEA COM ROSE SATIKO HIKIJI





14h30 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | A ETNOFICÇÃO: NOÇÃO E PRÁTICAS COM ANDREA PAGANINI | ROUCH E O CONHECIMENTO DO CORPO COM MARCO ANTONIO GONÇALVES | DE JAGUAR A PETIT A PETIT: ROUCH E SUA ANTROPOLOGIA REVERSA COM RENATO SZTUTMAN

03.07 | SEXTA

SALA CINEMATECA PETROBRAS

10h00 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | DO GRIOT AO NARRADOR, UMA VOZ PARA JEAN ROUCH COM MAXIME SCHEINFEIGEL | ROUCH NARRADOR COM EMILE BRETON | O QUE É O CINE-TRANSE? COM MATEUS ARAÚJO SILVA | ROUCH E A ÉTICA DO ENCONTRO COM MARCIUS FREIRE

14h30 COLÓQUIO INTERNACIONAL JEAN ROUCH | ROUCH E O BRASIL: HISTÓRIA DE UMA RELAÇÃO | ROUCH E GLAUBER ROCHA: OS MESTRES LOUCOS E DI COM IVANA BENTES | ROUCH, ANDREA TONACCI E O VÍDEO NAS ALDEIAS COM LEANDRO SARAIVA | ROUCH E ARTHUR OMAR: O TRANSE E O ÊXTASE COM ISMAIL XAVIER"

Fonte: http://www.cinemateca.gov.br/programacao.php?id=13

domingo, 28 de junho de 2009

Juliana, jovem liderança

Juliana, 25, jovem liderança comunitária da comunidade se dispôs em novamente me receber em sua comunidade.
Agora para Julho novas etapas da pesquisa, novas dinâmicas e resultados!
Essa mútua vontade é essencial para o aspecto qualitativo deste construto.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Estruturação teórica e nova incursão ao campo de pesquisa!



A pesquisa está em fase de estruturação teórica, para muito em breve uma nova incursão metodológica em campo!
São muitas etapas para a consolidação de uma pesquisa como esta. 
Divergências, concordâncias, alcances e limites são unidades do percurso.  
O campo traz novos elementos e novos questionamentos ao fazer-junto, é preponderante e cativante. Moradores de Pedro Cubas contribuem muito para esta pesquisa, são pessoas dignas, interessadas e motivadas, sabem dar o valor da pesquisa acadêmica e contribuem muito para a eficacia metodológica! =)
Dessa relação pesquisador e comunidade é que se constroem muito dos arcabouços, de objetivos teóricos, e desafios da práxis!
A chuva agora parece dar uma trégua no Vale do Ribeira, e o retorno ao campo esta muito próximo

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Banda Larga de Gilberto Gil

Gilberto Gil canta Banda Larga, em especial para esta pesquisa Gil aponta as perspectivas da internet de forma criativa, poética e consciente. 


segunda-feira, 13 de abril de 2009

Velho Continente, Conhecimento Novo

"O lançamento do programa PRO-IDEAL no Brasil, sob a coordenação do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento em parceria com o Núcleo de Política e Gestão Tecnológica (PGT) da USP, reuniu lideranças acadêmicas, empresariais e políticas em dois dias de palestras e oficinas (6 e 7 de abril).

Reproduzimos o artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo (8/4/2009):

TENDÊNCIAS/DEBATES

Velho continente, conhecimento novo

GILSON SCHWARTZ e GUILHERME ARY PLONSKI


A questão essencial agora é decidir sobre os futuros modos de usar essa extraordinária infraestrutura de inteligência coletiva


A CRISE econômica global tem um didatismo extraordinário, pois a lógica mais crua do mercado vem a nu quando o normal torna-se patológico. Seja pelas imperfeições, seja pelos méritos, fica mais fácil entender o sistema.
As atenções concentram-se natural e perversamente nos aspectos negativos da crise, ou seja, em tudo aquilo que parou de funcionar. Da quebra do sistema financeiro ao colapso do comércio mundial, passando pela insuficiência das instituições públicas nacionais e internacionais e culminando na fragilidade das políticas econômico-financeiras, sejam elas monetárias, sejam fiscais. Que fazer?
O primeiro passo na longa marcha da recuperação econômica é justamente dar a devida atenção aos ativos que não foram destruídos, aos sistemas que não apenas continuam firmes e fortes como podem vir a ganhar valor, rapidamente, mesmo em meio ao cenário de caos, destruição e reputações devastadas.
Entre os escombros financeiros e contábeis, torna-se mais nítida a formidável herança de um sistema global de inovação tecnológica centrada nas tecnologias de informação e comunicação, as TICs. As redes digitais em “tempo real” ganharam vigor extraordinário servindo como suporte à especulação financeira, mas as tecnologias subjacentes sobrevivem ao colapso dos ativos fictícios que ajudaram a inflar.
A questão essencial agora é decidir sobre os futuros modos de usar essa extraordinária infraestrutura de inteligência coletiva. A infraestrutura de telecomunicações digitais ultrapassa a tangibilidade das redes técnicas. O exemplo mais notório vem da União Europeia. Enquanto governos lutam para enfrentar a crise com ferramentas e instituições do passado, a UE investe cerca de 50 bilhões de euros em programas de ciência, tecnologia e inovação, com destaque para ofertas internacionais de financiamento para o desenvolvimento da internet do futuro.
É um exemplo de cooperação internacional, e não só de defesa dos polos internos e já estabelecidos de poder e conhecimento. É a semente de uma globalização sustentável, pois tem como suporte a criação e o desenvolvimento de redes de conhecimento. No velho continente, aliás, muito antes de as redes digitais se tornarem a realidade híbrida na qual estamos imersos cotidianamente, Diderot usou o termo “réseaux” para indicar algo que não era da ordem da técnica, mas indício do nosso principal ativo, cujo valor depende sempre de uma articulação entre a matéria e o espírito: o conhecimento.
Contra uma visão instrumental, cartesiana, de um poder derivado do “cogito”, Diderot (e Bruno Latour relendo na contemporaneidade o conceito de “rede”) nos convida a construir e participar de redes vivas, capazes de produzir conhecimento e riqueza novos.
As redes de informação e comunicação pulsam ao nosso redor, abertas à inovação na geração de riqueza, emprego e renda em todos os setores da sociedade. É nessa dimensão que se formam e difundem ondas humanas de inteligência, desenvolvimento e criação. Delas brota conhecimento novo, portanto, novos mercados, valores, produtos, serviços e hábitos, modelos de cultura livre e um empreendedorismo da razão.
O ideal iluminista que, desde o seu alvorecer no velho continente, já atravessou quadras mais ou menos sombrias pode, sob o impulso também luminoso das interfaces digitais, inspirar e movimentar um novo ciclo de desenvolvimento e humanidade.
Na crise, em especial, a sobrevivência de cada indivíduo, empresa ou nação é a cada dia mais dependente da nossa capacidade de acessar, distribuir e criar informação, conhecimento e valor em redes.
Os sistemas nacionais de inovação, as redes globais de cooperação em ciência, tecnologia e cultura, a internet do futuro representam uma plataforma que ganhou densidade no ciclo de acumulação de capital mais recente. Essa vasta e em boa medida nebulosa constelação de ativos e talentos pode ser colocada a serviço da construção de uma sociedade global em redes mais equilibrada, sustentável e inteligente.
Investir recursos públicos e privados no fortalecimento dessa infraestrutura de redes digitais é abrir hoje os novos espaços para criação de renda, identidade e conteúdos locais e globais que integrarão a economia do conhecimento do século 21.

GILSON SCHWARTZ, economista, sociólogo e jornalista, é professor de economia e coordenador do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento, da USP (www.cidade.usp.br), e coordenador no Brasil do consórcio Promoção do Diálogo sobre Tecnologias de Informação e Comunicação entre União Europeia e América Latina - Pro-Ideal (www.pro-ideal.eu/).

GUILHERME ARY PLONSKI, engenheiro, é coordenador científico do Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da USP (www.usp.br/pgt) e presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (www.anprotec.org.br)."


FONTE: http://www.cidade.usp.br/blog/secao/cidade-na-midia/

quinta-feira, 26 de março de 2009

Audiovisual 3D e a Economia do Olhar

"Ambientes Virtuais para Todos. Esse é o tema (e a proposta) do Professor Heinrich P. Godbersen, primeiro conferencista do ciclo de eventos do grupo de pesquisa Cidade do Conhecimento em 2009, como parte do programa Ensinar com Pesquisa, patrocinado pela Pró-Reitoria de Pesquisa da USP. O bolsista do programa, Ezequiel Pordeus, estuda a cultura digital: “vivemos numa economia do olhar, produzir e consumir em 3D significa ampliar os espaços de valorização do capital audiovisual”.
Para o coordenador do grupo de pesquisa, Prof. Gilson Schwartz, trata-se de um exemplo de “iconomia”, ou seja, de mercados para produtos e serviços audiovisuais que ampliam as possibilidades de criação e acumulação de capitais imateriais, simbólicos e até imaginários. “A iconomia é a economia dos ícones criados e gerenciados em interfaces audiovisuais digitais imersivas, pervasivas e móveis. O audiovisual 3D é mais um passo da caminhada humana rumo ao hibridismo virtual-real”, completa o professor da disciplina “Introdução à Iconomia”, no Departamento de Cinema, Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes da USP.
A conferência, mais ao estilo de oficina, acontece na quinta-feira, 26 de março, na sala 208 do prédio principal da ECA, a partir das 18 horas, com participação do cineasta Jorge Bodanzky.
“Tivemos com a Cidade do Conhecimento uma experiência pioneira e inovadora no uso de mídias digitais para ampliar o alcance do trabalho do Navegar Amazônia. Tivemos também uma experiência no Second Life, com ampliação das possibilidades técnicas e narrativas do audiovisual digital, em especial o documental. A discussão que o Godbersen traz exige uma revisão do próprio conceito de “sala” ou ponto de exibição”, avalia o cineasta Jorge Bodanzky, coordenador do projeto Navegar Amazônia, um ponto de cultura flutuante e móvel que desenvolve projetos em parceria com a Cidade do Conhecimento da USP."

quarta-feira, 11 de março de 2009

Portal Terra faz matéria sobre QUILOMBOLAS!!!

MATÉRIA DE HOJE (11/03/2009) NO PORTAL TERRA.

Fonte: http://iurirubim.blog.terra.com.br/2009/03/11/quilombolas-tem-quase-um-milhao-de-hectares-no-brasil/

"O levantamento Terras Quilombolas: Balanço 2008, divulgado recentemente pela Comissão Pró-Índio de São Paulo, revela que os territórios quilombolas regularizados no Brasil estão chegando à marca de um milhão de hectares.

Essa área - mais precisamente, 980 mil hectares - está distribuída em 96 territórios quilombolas e 185 comunidades. Se considerarmos todos os títulos já concedidos (incluindo os não regularizados, cujo valor legal ainda pode ser questionado), a conta passa de um milhão de hectares (1.171.213 até setembro de 2008).

Embora os números pareçam significativos, a própria Comissão Pró-Índio ainda os considera pequenos em relação à quantidade de comunidades quilombolas existentes no país, estimada em três mil.

A luta pela titulação das terras dos remanescentes de quilombos no Brasil é antiga e ganhou força a partir da Constituição Federal de 1988, que garantiu às comunidades o direito a suas terras.

“Aos remanescentes das comunidades dos quilombos que estejam ocupando suas terras é reconhecida a propriedade definitiva, devendo o Estado emitir-lhes os respectivos títulos”
(Artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias - Constituição Federal de 1988)

Em 2008, o movimento pela titulação e regularização das terras quilombolas sofreu um grande revés, quando foi publicada a Instrução Normativa no. 49, que vincula a abertura de processo para titulação das terras a uma certidão emitida pela Fundação Cultural Palmares.

Na prática, segundo a Comissão Pró-Índio, a nova regra desrespeitaria o direito à auto-identificação, garantido pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e no Decreto 4887/2003. Entenda o longo processo para titulação de terras quilombolas.

O documento divulgado pela Comissão Pró-Índio também alerta para a queda da titulação das terras quilombolas pelo governo federal. Nenhum território foi titulado em 2008 e apenas dois em 2007.

No ano passado, as titulações foram decorrentes de processos estaduais, emitidos pelos governos do Pará, Piauí, e Maranhão. No total, foram beneficiadas 1225 famílias em 23 comunidades e 16 territórios quilombolas. A área titulada passou de 36 mil hectares, sendo 25 mil apenas no Pará.

Segundo o relatório, um dos entraves à concessão mais ágil dos títulos é a pouca capacidade do Incra em atender à demanda.

“Dados de dezembro de 2008 indicam que dos mais de 600 processos abertos pelo Incra somente 220 tiveram algum andamento. O restante apenas recebeu um número de protocolo”, indica o texto.

O documento também faz um apanhado das disputas judiciais envolvendo os territórios quilombolas, no qual observa que as ações tentando paralisar os processos atingem apenas 14 terras quilombolas, pouco se considerarmos os 600 processos em curso.

A primeira comunidade a receber o título de terra na condição de remanescente de quilombola no Brasil foi a comunidade de Boa Vista, no município de Oriximina (PA), concedido pelo Incra em 1995. Na ocasião, 112 famílias receberam 1.125 hectares de terra.

Geralmente associados no imaginário popular a núcleos de resistência de negros fugidos contra a escravatura, estudos recentes as comunidades de quilombo se constituíram a partir de uma grande diversidade de processos.

Esses processos incluiriam as fugas com ocupação de terras livres e geralmente isoladas, mas também as heranças, doações, recebimentos de terras como pagamento de serviços prestados ao Estado, simples permanência nas terras que ocupavam e cultivavam no interior de grandes propriedades, bem como a compra de terras, tanto durante a vigência do sistema escravocrata quanto após sua abolição.

“O que define o quilombo é o movimento de transição da
condição de escravo para a de camponês livre”
(texto da Comissão Pró-Índio de São Paulo)

O que caracterizava o quilombo, portanto, não era o isolamento e a fuga, mas a resistência e a autonomia.

Ou seja, para além de um passado de rebelião e isolamento, a classificação de comunidade como quilombola dependeria de como aquele grupo se compreende e se define - daí a importância da auto-identificação, na perspectiva da Comissão Pró-Índio.

Para a Comissão, entretanto, a principal motivação da Instrução Normativa nº 49/2008 não é conceitual e, sim, um mecanismo de impor “novos empecilhos burocráticos ao processo destinado a identificar e titular as terras quilombolas”.

Em texto publicado no seu site, a entidade se posiciona claramente:

- O recuo é uma clara tentativa de contemporizar com os interesses contrários de grupos econômicos e de parlamentares da base aliada do governo que vêem questionando na imprensa e no legislativo a legitimidade dos direitos quilombolas.

(fotos: Arquivo Ministério do Desenvolvimento Agrário [1]; André Cypriano [2]; Arquivo Ministério do Desenvolvimento Social [3])"


terça-feira, 10 de março de 2009

Pesquisa-ação!

Conversas frequentes com os moradores de Pedro Cubas; Nova incursão em campo se aproxima, enquanto o molho teórico borbulha:
Pesquisa-ação!!!

sábado, 7 de março de 2009

Quilombo Pedro Cubas sem internet

Por telefone o Sr. Antônio Jorge, liderança da comunidade de Pedro Cubas, me relatou que o InfoCentro está inoperante.

Motivo: Invasão do espaço e furto de alguns equipamentos, dentro os quais o modem principal!

:/

Um fato importante para o desenvolvimento desta pesquisa. 


sábado, 14 de fevereiro de 2009

Mapeamento!

(foto: mapa dentro da igreja do centro de Eldorado)

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Evolução teórica!!!

O projeto encontra-se em consolidação e ebulição teórica.
Momento de alicerces, suspeitas, indagações e apontamentos!
Em fevereiro uma nova incursão em campo.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Padre Ari e fiéis religiosos

Padre Ari (segundo da esquerda para a direita) no casamento de Elias e Kelly! 
A religião no quilombo Pedro Cubas é também uma das dimensões temática da pesquisa em andamento. 

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Oficina web 2.0: Jovens quilombolas fazendo upload de conteúdo

A oficina de web 2.0 aplicada com os jovens da comunidade de Pedro Cubas no InfoCentro foi, é e torna-se uma experiência prática e efetiva da possibilidade de produzir e publicar conteúdo na internet, dentro de um programa estabelecido na relação Universidade, mediado pelo pesquisador, e a comunidade de quilombos. 
Essa vivência do possível é fundamental para a imaginação e para a continuidade das atividades. 


sexta-feira, 19 de dezembro de 2008




Vamos lá! Blog circulando e a comunidade interpretativa participando, mas ora por enquanto apenas via e-mail ou em encontros presenciais e isso tem que melhorar. Poucos comentários no blog e a participação no ciberespaço ainda está ocorrendo apenas por meio de contato pessoal, e não em posts em redes sociais abertas. Por conta disso, este projeto atua também no aumento do número de participantes e colaboradores ao formular estratégias de participação e atuação. Fica o alerta: Pesquisadores e leitores, vamos participar, a comunidade interpretativa dá continuidade as problemáticas e ações!
Este projeto de pesquisa tem total e plena consciência, atua e é uma de suas bandeiras inclusive, em ser um processo de construção de relação, de criar vínculos e produzir conteúdos via as mídias digitias para a sociedade em um processo de trocas e afirmativo. Trata-se de um contínuo trabalho de janela e espelho em uma estrutura hipertextual e hibrida, mas sem esquecer de seu víes colaborativo e construtivo que parte como uma pesquisa de mestrado da Universidade, embasado em teorias pertinentes à disciplina de Iconomia do Prof. Dr Gilson Schwartz, que orienta em "levar a tecnologia digital da Universidade e trabalhar com a Comunidade" na construção de ícones que podem gerar valor, que podem ser revertidos para a comunidade. Paratanto, ter o domínio ferramental tecnológico, via as mídias digitais na construção de informação e linguagem, ao produzir e veicular conteúdos via blog, documentário e IPTV, podem ser um dos caminhos para os quilombolas na afirmação de sua identidade. É em cima disto que o projeto atua, com foco maior na juventude.


Sr. Antønio Jorge, liderança comunitária de Pedro Cubas de baixo

Oficinas de Vídeo e de Fotografia com crianças e jovens da Comunidade!




Essas são algumas das fotos das oficinas de vídeo e fotografia aplicadas com as crianças e jovens da comunidade, em março de 2008. 





quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Veja o álbum de fotos das oficinas de fotografia




Veja o álbum de fotos das oficinas de fotografia aplicadas nos meses de março e abril com os jovens da comunidade!!!
Estão acessíveis em www.flickr.com/photos/quilombopedrocubas

Casamento no Quilombo: Elias e Kelly



quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Cine-quilombo: Devolutiva para a comunidade!

Essas são fotos realizadas pelos jovens na oficina de fotografia e dão conta de um dos momentos em que foram exibidas as gravações realizadas na comunidade. A televisão da casa do Sr. Antônio Jorge foi a tela para todos.  




quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Remote Participation Hub: IGF 2008 - Hyderabad/S.Paulo

Quem controla a rede mundial de computadores? Como se articulam direitos, segurança e liberdade no mais complexo ambiente de comunicação já criado? Quais as fronteiras do Estado, do mercado e da sociedade civil na criação, desenvolvimento e gestão das redes? Esses são alguns dos temas em pauta no “Internet Governance Forum 2008″. Organizado pela primeira vez em 2006 na Grécia, teve sua segunda edição em 2007 no Rio de Janeiro e, neste ano, entre os dias 3 e 6 de dezembro, o IGF acontece em Hyderabad, Índia.

A Cidade do Conhecimento, em parceria com a RITS, a Diplo Foundation e o Ministério da Cultura do Brasil, organiza no laboratório da USP um “hub” de participação remota, com acesso e voz nas assembléias e na plenária do IGF. Registre aqui suas idéias e programe sua participação nas madrugadas e manhãs, de 3 a 6 de dezembro. No dia 6, sábado, haverá uma festa de encerramento, a partir das 9 horas, no laboratório da Cidade do Conhecimento na USP.

Internet Governance Forum 2008

Hyderabad, Índia

3 a 6 de dezembro

Remote Participation Hub

Cidade do Conhecimento, USP

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Dia 20!


No dia 20 de Novembro, dia da Consciência Negra o ITESP realizou um evento no Parque da água Branca em São Paulo trazendo algumas comunidades quilombolas do Vale do Ribeira. Por alguma logística particular, ou estratégias de revezamento a comunidade de Pedro Cubas não veio este ano.
Semana passada falei com o Carlinhos, filho do Sr. Antonio Jorge, e ele me disse que eles viriam. Estava programada entrevistas e depoimentos, bem como o meu retorno no ônibus junto com eles de volta à comunidade. Mas como eles não vieram, o evento serviu para apresentar resultados diante do público e realizar entrevistas com outros quilombolas do entorno e a turma do Itesp. 
Como destaque nesta nota o Itesp realizou uma pequena mostra de filmes documentários sobre a temática quilombola, e o conjunto de vídeos da comunidade Pedro Cubas deste projeto apresentada no exame de qualificação do mestrado foi exibida. 
Em especial, o momento do Ritual de Recomendação das Almas foi o que mais movimentou o público! 
Em breve todos os detalhes deste dia, com entrevistas, fotos, e causos. 

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

IX SEMANA DO AUDIOVISUAL

IX SEMANA DO AUDIOVISUAL
CTR-ECA-USP
PRODUÇÃO // CRÍTICA

O tema escolhido esse ano tenta trazer à tona um importante debate do Cinema Brasileiro: como Crítica e Produção audiovisual convivem nas últimas décadas, sobrevivendo às altas e baixas do mercado, das leis de incentivo, e das formas de distribuição. Como acontece a dinâmica de estilos e linguagens e como a crítica nacional a recebe. Todos os eventos são gratuitos e esperam receber estudantes e interessados de diversas universidades e áreas.



Locais:

Espaço Unibanco Augusta (Rua Augusta, n. 1475. Sala 1 ‐ 268 lugares)

Auditório Paulo Emílio (Av. Lúcio Martins Rodrigues, 443. Prédio principal, 2º andar ‐ 120 lug)

Cinusp Paulo Emílio (Rua do Anfiteatro, n 181. Colméia ‐ Favo 04. 100 lugares)

Prainha (Espaço aberto da ECA, em frente ao Prédio Principal

Dinâmica Audiovisual

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Oficina de Web 2.0 em Pedro Cubas

Antônio Jorge e Dona Diva

Na foto Antônio Jorge e Dona Diva lideranças da comunidade de Pedro Cubas, no momento em que saiam da faculdade Metodista com a metodologia do ensino a distância, onde cursam ciências sociais, no centro da cidade de Eldorado Paulista.